Dicas Técnicas

Tenha um melhor resultado de pintura com as dicas técnicas disponibilizadas abaixo.




Tintas Anticorrosivas

  • Por Que Usar Tintas Anticorrosivas Open or Close

    Os materiais mais utilizados na construção civil e industrial é o aço carbono e o concreto. Sabemos que ambos sofrem o processo de corrosão, causando o maior transtorno. Mesmo podendo ser substituído por outros materiais como o aço inox e o plástico de engenharia, fica inviável, pois o custo se torna elevado. A pintura anticorrosiva é um tratamento que oferece proteção e estética de baixo custo. Na proteção do aço carbono, existem três mecanismos de proteção anticorrosiva:


    Por barreira: Quando a película forma uma barreira entre a superfície e o ambiente.


    Anódica: Proteção por meio de pigmentos inibidores de corrosão, o zarcão, o cromato de zinco e outros.


    Catódica: Através de primers ricos em pigmento de zinco que se sacrifica em benefício do ferro.


    Para definir o tipo de esquema de pintura, é importante informar o substrato, descrição do equipamento, viabilidade do método de preparação da superfície, o tipo de agressividade física ou química, a temperatura de operação, verba disponível para o trabalho, área total em m² a ser revestida e a estimativa de vida do revestimento. Para procurar esclarecer com maiores detalhes, a PERFORTEX apresenta neste site informações precisas para um bom desempenho da pintura.




Dicas Para Tintas Catalizadas

  • Epóxi, Poliuretanos e OutrosOpen or Close

    1. Em todos os produtos catalisados, é necessária a mistura do componente A com o B, que são definidos pela etiqueta constante em cada embalagem.


    2. Adicione lentamente o catalisador (componente B) sobre a tinta (componente A).


    3. Homogeneizar completamente a mistura, deixando descansar de 20 a 30 minutos. Se necessário, dilua com o diluente indicado, antes de aplicar.


    4. Produtos à base de resinas epoxi ou poliuretânicas possuem tempos de vida útil da mistura diferenciados. Assim, para o alcance do melhor desempenho no uso dos mesmos, observar o boletim técnico dos materiais. Ainda, prepare somente a quantidade que será utilizada durante este período.


    5. Nunca guarde tinta já catalisada.


    6. As condições climáticas influem, em muito, no tempo de secagem do produto. Observe sempre o tempo recomendado entre demãos e a cura final.


    7. Para aplicação em ambientes confinados, com pouca ventilação, é necessário providenciar a renovação adequada do ar.


    8. Intervalo entre demãos: tintas catalisadas possuem secagem distintas. Portanto, o respeito aos tempos de repintura é imprescindível. Para tal, consulte o boletim técnico do material.


    9. A resistência química, dureza e demais propriedades de nossos produtos são atingidas somente após a cura final, que leva, em média, 07 (sete) dias para ocorrer. Assim, toda superfície revestida só poderá ser liberada para uso ou tráfego após transcorrido este período.


    10. Se durante a pintura ocorrer respingos, limpe imediatamente com pano embebido no diluente especificado. Caso esses respingos sequem, sua remoção ficará dificultada.


    11. Após a execução do serviço, lave imediatamente as ferramentas utilizadas, usando o diluente especificado.


    12. A linha Perfordur, ou qualquer outra com formulação à base de resina epoxi, sofre calcinação (formação de gizamento) e alteração da tonalidade, quando exposta aos raios solares. Porém, preserva a mesma resistência química/mecânica.


    13. A aplicação de produtos catalisados não é indicada sobre cal, superfícies arenosas, cimento queimado ou argamassas, como Reboquit, Vedacit, etc. Esta aplicação só é possível após um prévio tratamento, que deverá ser recomendado pelo nosso Depto. Técnico (0800 - 121 100).


    14. Em todos os tipos de pisos ou lajotas podem receber acabamentos catalisados, devido à multiplicidade do grau de porosidade da superfície.




Cuidados ao Pintar

  • 6 Dicas Especiais para Não Errar MaisOpen or Close

    EPIs

    Para preservar sua saúde sempre que for realizar a aplicação de tintas utilize Equipamentos de Proteção Individual, os EPIs.


    LIXAS

    As lixas são utilizadas para uniformizar as superfícies e aumentar a aderência da tinta. As mais recomendadas são as lixas d'água 240 ou 320.


    REVÓLVER

    No mercado, é oferecida uma grande quantidade de modelos de revólveres. A especificação do modelo depende do produto adquirido. Portanto, antes da aplicação, consulte nosso Depto. Técnico.


    ROLO

    O mais recomendado é o rolo de lã de carneiro, com pêlo curto, ou seja, o rolo especial para epoxi. Despeje a tinta catalisada numa bandeja e molhe o rolo até recobri-lo por inteiro. Faça movimentos leves em todas as direções. De alto a baixo, vá cobrindo áreas de aproximadamente 60 cm. Com uma 2ª demão, em aplicações verticais e paralelas, o acabamento ficará mais bonito e uniforme. No acabamento dos cantos, use rolos menores ou pincéis.


    TRINCHAS

    Ao pintar com trinchas, procure sempre fazer movimentos verticais suaves, cobrindo quadrados de aproximadamente 60 cm. Assim, você progressivamente irá completar faixas de alto a baixo na superfície. Procure sempre terminar uma parede, ou área, sem pausas. Isso evitará sinais de emenda.


    PINCÉIS

    Os pincéis são indicados para pintura de cantos, reforços de cordões de solda, pequenas áreas ou detalhes. As aplicações deverão ser cruzadas, primeiro no sentido horizontal e depois no vertical, evitando, sempre, que a tinta escorra.




Serviços Perfortex

  • Atendimento DiferenciadoOpen or Close

    A Perfortex visando oferecer aos seus clientes um atendimento diferenciado disponibiliza os seguintes serviços:


    - Visitas de Supervisão Técnica


    - Acompanhamento de Amostras


    - Atendimento Técnico Interno


    - Cursos Técnicos


    - Especificação de Pintura


    - Acompanhamento de Obras


    Para maiores informações entre em contato através do telefone: (19) 3526-1100




Preparação de Superfície

  • Aço CarbonoOpen or Close

    Existem várias normas internacionais de preparações de superfícies, a saber:


    • SIS 05 59 00 - 1.967 - Swedish Institution Standard - Norma Sueca

    • SSPC - Steel Strutures Painting Council - Norma Americana

    • NACE - National Association of Corrosion Engineers - Norma Americana

    • CGCB - Governo Canadense - Norma Canadense

    • BS 4232 - British Standards - Norma Inglesa

    • JSRA SPSS The Shipbuilding Research Association of Japan Standards for the Preparation of Steel Surface Prior to Painting - Norma Japonesa

    • BR - Petrobras - Norma Brasileira


    GRAU A - Superfície de aço com o recobrimento de carepa de laminação, intacta aderente e isento de corrosão.


    GRAU B - Superfície de aço com pequenos pontos de corrosão onde a carepa de laminação começa a destacar.


    GRAU C - Superfície de aço onde a carepa de laminação foi eliminada através da ação da corrosão ou pode ser removida por raspagem, podendo ser visualizada pequenas cavidades.


    GRAU D - Superfície de aço onde a carepa de laminação foi eliminada através da ação da corrosão, e, ainda possui grande formação de cavidades que podem ser visualizadas.


    Para qualquer preparação de superfície, é fundamental a remoção de toda a graxa, óleo e contaminantes. Esse processo poderá ser feito através de limpeza com detergentes, solventes, vapores e outros. Informamos que este processo de limpeza não remove ferrugem e escamas. Para a utilização de solventes, é importante tomar uma série de precauções quanto a inflamabilidade e toxidez.


    Limpeza Manual - Padrão St 2 : A superfície deverá ser lixada, escovada ou raspada manualmente de forma minuciosa, para poder eliminar a carepa de laminação solta, respingos de solda e oxidações. Após este processo, deverá ser utilizado ar comprimido seco ou escova totalmente limpa, procurando manter a superfície com pequeno brilho metálico. Este processo não pode ser utilizado para as superfícies que apresentarem grau A de intemperismo.


    Limpeza Manual ou Mecânica - Padrão St 3: Fazer um lixamento, escovamento ou raspagem manualmente ou mecanicamente de maneira minuciosa. Utiliza-se o mesmo processo do padrão St 2, mas de uma forma mais rigorosa. Realizando a limpeza e o escovamento, o aço deve possuir um intenso brilho metálico. Este processo também não poderá ser feito para as superfícies com grau A de intemperismo.


    Jateamento Ligeiro BRUSH-OFF - Padrão Sa 1: Jateamento rápido, remove carepas de laminação soltas, ferrugens e outros materiais estranhos. A superfície deverá ser limpa com ar comprimido limpo e seco, escovas isentas de sujeiras ou aspirador. Não se aplica para as superfícies com grau A de intemperismo.


    Jateamento Comercial - Padrão Sa 2: Decapagem até que pelo menos 2/3 de qualquer porção da superfície total esteja livre de todo o resíduo visível. O jato deve passar pela superfície durante o tempo necessário para eliminação de quase toda calamina, oxidações e matérias estranhas. Após, eliminar os vestígios do pó abrasivo por aspiração, com ar comprimido limpo e seco ou com escova limpa. A superfície deve apresentar uma cor acinzentada. Tratamento não utilizado para superfícies com grau A de intemperismo.


    Jateamento ao metal quase branco - Padrão Sa 2 1/2: O jato deve ser feito durante o tempo necessário para eliminar toda a carepa de laminação, ferrugem e matérias estranhas, de tal forma que qualquer resíduo apresenta apenas como uma ligeira sombra ou mancha sobre a superfície. Imediatamente limpar o pó abrasivo com aspirador, escova limpa ou ar comprimido limpo e seco. Este tipo de preparação deve conseguir que pelo menos 95 % de cada porção da superfície total fique livre de qualquer resíduo visível. A superfície apresentará cor cinza clara.


    Jateamento ao metal branco - Padrão Sa 3: Apresentando uma cor cinza clara e uniforme, o jateamento ao metal branco elimina totalmente a carepa de laminação, óxidos e outras matérias estranhas de modo que a superfície ficará livre de resíduos visíveis. É importante ressaltar que posteriormente a limpeza do pó abrasivo deve ser feito com aspirador, ar comprimido e seco ou escova limpa.


    Observações

    Para o jateamento abrasivo, utiliza-se areia isenta de argila, sais de cloro solúveis (menor que 40 ppm ou 0,004 %) ou outros contaminantes.

    O jateamento poderá causar várias formas de aspereza na superfície, basta observar o tipo de abrasivo utilizado, da pressão do ar e técnicas. O perfil ideal para um excelente sistema de pintura é através de uma espessura final em torno de 30%.


    Jateamento Abrasivo Úmido: jateamento abrasivo seco + água. Este método foi adotado para solucionar o problema da poeira seca que causava sobre os equipamentos localizados próximos à área de jateamento. Mesmo o jateamento úmido sendo inferior ao seco, a limpeza é sem dúvida superior ao tratamento mecânico que não remove os contaminantes existentes. Uma pequena desvantagem do jateamento úmido é o flash rusting, uma corrosão superficial que ocorre na superfície, mas mesmo assim, existem primers que toleram este inconveniente, consulte o nosso departamento técnico para maiores esclarecimento.


    Hidrojateamento: É utilizado somente a água através de alta pressão, deixando a superfície em condições ideais para receber uma pintura. Pelo fato de não ter agentes abrasivos, o hidrojateamento elimina a geração de partículas finamente dividiva, no caso a sílica, a mais crítica.


    Esse tipo de preparação é utilizado porque possui algumas vantagens que o jato abrasivo seco não tem, exemplos:


    * as partículas provenientes do abrasivo causa poluição, e, ainda contamina facilmente os equipamentos e os processos próximos ao ambiente do jateamento seco.


    Há vários termos usados no preparo de superfície através da água com alta pressão, entre eles, citamos o water jetting, o hydrojetting, o hydroblasting e o water blasting.


    Conforme as normas NACE e SSPC, durante o hidrojateamento, para otimizar a limpeza na superfície, a pressão da água deverá ser forçada através de um bico numa pressão superior a 100.000 psi.


    Geralmente existem duas faixas de operação das pressões no hidrojateametno (HPH), a variação é de 10.000 a 25.000 psi (680 a 1700 bar), e ultra pressão (UHPH) com pressões acima de 25.000 psi (acima de 1700 bar).


    Utilizando-se o hidrojateamento, haverá uma redução de sais, cloretos e a remoção de outros materiais solúveis em água. Os sais quando não são eliminados antes da aplicação do esquema de pintura, causará bolhas no filme da tinta aplicada, tudo isso devido a presença da osmose.


    Através do controle de pressão, remove-se seletivamente a camada de tinta em superfícies pintadas, alcançando apenas as camadas mais deterioradas.


    É fundamental ressaltar que, o prepapro da superfície por hidrojateamento não causa o perfil de rugosidade no aço novo e com carepa de laminação.


    Limpeza a Fogo: É um método utilizado em casos específicos. A limpeza com o uso do fogo se torna um pouco desvantajoso pois poderá ocorrer riscos de incêndios e explosões, também poderá ocasionar empenamentos em aços leves. A principal vantagem é que a superfície de aço fica morna e seca, por isso contribui com a cura inicial ou secagem da tinta aplicada em climas com baixa temperatura. Na superfície de aço carbono encontramos compostos de geradores de ferrugem, com o uso do fogo há uma tendência de passar despercebido essas regiões enferrujadas devido a alta temperatura da superfície.


    Após feito o tratamento à chama, devemos prosseguir com uma limpeza mecânica com escova de arame, eliminando os produtos da operação da limpeza com fogo. A superfície deverá ficar isenta de carepa de laminação, tintas, ferrugens e outros materiais estranhos.

  • Metais Não FerrososOpen or Close

    Aço Galvanizado

    A superfície deve estar limpa, seca, livre de graxa ou óleo. Fazer o desengorduramento, pois é extremamente fundamental toda a remoção de óleo, graxa e outros contaminantes, antes da preparação complementar da superfície. Para fazer essa remoção, existe um método comum que pode ser feito através de solvente. Esta etapa é crítica, já que, se a limpeza com solvente não for feita corretamente, as contaminações se espalharão. Para fazer este tipo de preparação, também poderá ser utilizado desengraxantes, emulsões apropriadas e até limpeza a vapor. O produto resultante da corrosão branca do zinco deve ser removido por lavagem com água sob pressão ou escovamento com água. Sempre lavar com água para remoção dos sais solúveis do zinco, ou também poderá utilizar o jato ligeiro (brush-off) e lavar posteriormente com água. Após a limpeza, o aço galvanizado deverá ser pintado com primer específico para obter uma ótima aderência.


    Obs: caso haja corrosão acentuada do zinco e apresentando oxidação vermelha, poderá ser utilizado um primer para superfície não jateada do tipo epoximastic.


    Alumínio

    A superfície deve estar limpa, seca, isenta de graxa ou óleo. Para a remoção destes contaminantes, deve fazer uma limpeza com panos embebidos com solvente. Se houver a presença de quaisquer indícios de corrosão, estes devem ser eliminados por lixamento ligeiro antes da aplicação do primer de aderência específico.

  • Pisos Concreto/AlvenariaOpen or Close

    Informações Gerais


    • Não aplicar revestimentos em superfícies tratadas com aceleradores de cura, a não ser que testes efetuados na mesma indiquem a possibilidade de adesão satisfatória.

    • Não aplicar o revestimento antes da cura do concreto de 28 dias. Toda a nata de cimento e o pó solto que ficam na superfície deverão ser eliminados.

    • Temperatura ambiente para aplicação: mínimo 15º C e máximo 45º C.

    • Umidade relativa do ar para aplicação: mínimo 15º C e máximo 85º C.


    Concretos ou Cimentados Novos e Lisos

    Tornar a superfície porosa através de jato abrasivo, ferramenta mecânica ou ataque com solução ácida.


    Jato Abrasivo: Realizar o jateamento usando malha 18-40. Realize movimentos com o bico do jato de maneira uniforme sobre a superfície numa distância de 60 cm. É importante notar se a rugosidade produzida está sendo uniforme. Após este processo, eliminar o pó e aplicar a primeira demão do produto indicado.


    Ferramenta Mecânica: Este tipo de preparação deve ser feito com escovas rotativas ou máquinas de discos abrasivos. Após, eliminar o pó e aplicar a primeira demão do produto indicado.


    Solução Ácida: Para aplicação da solução ácida, umedecer o piso com água limpa, evitando a formação de poças. Aplicar a solução ácida, na relação de uma parte de água e uma parte de ácido muriático. Deixar agir sobre o piso de 3 a 10 minutos. Após, enxaguar totalmente a área, utilizando água limpa em abundância. Não deixar o ácido secar sobre a superfície, nem resquícios do enxaguamento. Remover o cimento solto com escova de aço. Caso restem pontos sem porosidade ideal, repetir o procedimento. Aplicar o revestimento somente sobre pisos secos e neutros (pH de 7 a 8). A superfície deverá secar antes da aplicação da 1ª demão do selador específico.

    Obs: A preparação com solução ácida não elimina as contaminações de graxas, gorduras e óleos que ficam impregnados no concreto.


    Teste para Verificar se o Substrato está Seco

    Um teste para verificar se a umidade é aceitável para receber o selador ou outra tinta, consta na norma ASTM D 4263. O teste consiste em colar com fitas adesivas uma folha de 45cm por 45cm, de polietileno transparente com 0,1mm de espessura sobre a superfície de concreto. O teste pode ser feito também com uma folha de alumínio. Deixar a folha no local por pelo menos 16 horas. Decorrido este tempo, remover a folha e, visualmente, inspecionar o seu lado inferior e a superfície do concreto ou da superfície estiver seca, a parede ou o piso estarão liberados para a pintura. Normalmente a umidade do substrato de concreto deve ficar abaixo de 5%.


    Concreto ou Cimentado Velho


    • Caso a superfície esteja lisa e limpa, efetuar jato abrasivo, ferramenta mecânica ou lavagem com solução ácida, conforme instruções anteriores.

    • Se a superfície estiver lisa e apresentando rugosidade uniforme, providenciar uma lavagem com água e detergente, vapor ou hidrojato para extrair partículas soltas e possíveis falhas do concreto.

    • Caso o piso apresente pontos com manchas/derrames de óleos, graxas ou qualquer outro contaminante, consultar o nosso departamento técnico. A princípio, poderá efetuar a descontaminação através da limpeza com detergente e água quente, aguardando o intervalo de 2 dias para checar se voltará a ocorrer a migração do óleo que penetrou sob a superfície. Caso isto ocorra, efetuar o procedimento quantas vezes forem necessárias, respeitando sempre o intervalo de 48 horas entre uma limpeza e outra, até que não mais se observe a migração. A superfície deverá ser neutra.


    Importante: Caso exista tinta aplicada, consulte nosso Depto. Técnico antes da aplicação.


    Alvenaria (Blocos e Reboco)

    • Providenciar um lixamento na superfície para eliminar as partículas soltas de areia, após este processo, eliminar o pó.

    • Geralmente as superfícies de alvenaria absorvem as tintas com muita intensidade, por isso é fundamental selar o substrato antes da aplicação do sistema de pintura.

    • Não utilizar produtos à base de óleo em superfícies de alvenaria.